Friday, October 08, 2004

http://www.cm-oliveiradohospital.pt/comuns/imagens/turismo/turismo_003p.jpg">

Ao domingo, banhinho na fonte...

Nem tudo é mau em OH. Já temos um belo parque para passear, mas, aos domingos apenas se pode passear no mandanelho sem banho tomado. Tudo porque a água teima em continuar a faltar na cidade aos domingos. O mais irónico é que rebenta sempre algum cano na zona do Ameal, que é justamente conhecida pela sua fonte e pala sua água. Ironia do destino, ou talvez não.

A verdade é que os habitantes da Rua do Ameal e adjacentes já convivem com o problema de falta de água na zona à uns bons pares de anos. é nada se faz, excepto é claro, remendar os buracos das canalizações...

A Volta do Parque!

O tal parque do Mandanelho já foi inaugurado! Quem diria, a obra foi entregue ao dono!

Friday, September 17, 2004

voltei!!!

Não foram bem umas férias, mas quase!

Saturday, August 14, 2004

Correio dos leitores

Um leitor devidamente identificado (e informado...) respondeu o porquê de o Parque do Mandanelho ainda estar fechado: é que a obra ainda não foi entregue ao dono, isto é, ao Munícipio de Oliveira do Hospital.

Friday, August 13, 2004

Não é preciso ser herói. Basta ser homem do lixo em Oliveira do Hospital

A cena foi caricata e aconteceu com a minha mãe. Numa noite de calor, a minha mãe foi despejar ao Ecoponto (que ainda fica a algumas centenas de metros de casa) algumas latas que juntou num saco. Acontece que ao mesmo tempo ai a passar uma camioneta do lixo, de onde saltou um rapaz que solícito se prontificou a levar o lixo pela minha mãe.

A minha mãe agradeceu-lhe, mas disse ao rapaz que ia levar as latas ao ecoponto, e que aquilo não era lixo. O solícito jovem de pronto respondeu:
"Não se preocupe, vai tudo para o mesmo sítio", e tirou o saco da mão da minha mãe. Para quê educar as pessoas para separar o lixo se quem trabalha na área dá o mau exemplo?

Mistério ao pé do parque do Mandanelho

Toda a vila que seja sede de concelho, por mais miserável que seja, tem um local onde as pessoas podem apanhar autocarros ou outros transportes. Normalmente, esse local é uma estação de comboios ou uma central de camionagem. Menos Oliveira do Hospital.
Como OH não foi bafejada pela sorte de ter uma linha de comboio a passar no concelho, não faz sentido haver uma estação de comboios. Quanto à central de camionagem, ela não existe porque pura e simplesmente não existe.
Sabe-se, teoricamente, onde ela deveria de estar: ao pé dos Bombeiros Voluntários. Mas na verdade existem autocarros espalhados por OH, e nos sítios mais inconvenientes possível - o Expresso pára perto do jardim municipal, que congestiona toda a circulação no Largo Ribeiro do Amaral. Os autocarros para o Vale do Alva param na Rua da Finanças, na hora mais inconveniente no local também inconveniente. Quem quiser ir para Viseu pode apanhar o autocarro na Rua dos Combatentes da Grande Guerra. Enfim, uma confusão.
Pergunto-me, também, porque é que raio que não foi feita ainda a central de camionagem? Por falta de espaço? Por acaso, quem passar há noite na zona em que está prevista a futura (há 5 anos que está prevista...) central já pode constatar um facto: os autocarros estacionam lá. O problema é que durante o dia esses autocarros grandes, feios e poluentes estão espalhados pelo centro da cidade para que as pessoas os possam apanhar.
Mais um mistério.

Thursday, August 12, 2004

Mistério no Parque do Mandanelho

Todos os dias passo por lá, e todos os dias me pergunto porque é que raio que o parque do Mandanelho não está aberto ao público.

Foi gasto uma pipa de massa em remodelações no parque, que estava a precisar, fez-se um palco novo, umas tabelas de basket, e não sei quê mais. Parece tudo muito bonito. Digo parece, porque não sei, porque não posso entrar lá dentro, apesar de tudo parecer estar pronto. Aliás, a inauguração esteve marcada para o 7 de Outubro de 2002, se não me engano. Lembro-me que na altura o Parque não estava pronto, de facto. Mas passaram-se quase dois anos, já não se vêm obras no recinto. Aquilo está apenas fechado.

Alguém me sabe dizer, por favor, porque é que raio que não posso passear o meu cão no parque? Alguém me sabe dizer porque é que não posso ir correr para lá? Alguém me sabe dizer porque é os adolescentes desta cidade não podem ir para esse parque dar umas beijocas e umas amassadelas?

Vende-se ou Aluga-se

Outras fontes credíveis revelam: na cidade de Oliveira do Hospital existem 70 lojas para alugar ou vender.

Wednesday, August 11, 2004

O depósito de livros

Oliveira do Hospital não tem uma biblioteca. Tem um depósito de livros. No entanto, já está prometido há pelo menos 8 anos a construção de uma biblioteca nova, que tarda em aparecer.

Lembro-me que quando se falou pela primeira vez em biblioteca nova, ainda nem se falava de Politécnico em Oliveira do Hospital. Passaram-se alguns anos, o Politécnico passou de um rumor a uma possibilidade e de possibilidade a uma realidade. Biblioteca que é bom, nada.

Oliveira precisa de uma biblioteca urgentemente. Oliveira do Hospital perde cada vez mais em oferta cultural. É necessário cativar os jovens em Oliveira, e o Politécnico funciona, sem dúvida alguma, como um polo de atracção. Mas sem uma estrutura à volta do Politécnico, de nada vale ter esta escola. Os alunos só ficam por aqui durante um ano, porque logo a seguir vão-se embora.

Caracterização socio-económica do concelho de Oliveira do Hospital - II: Cafés, Bares e Restaurantes

Ontem fiz de cabeça a conta da quantidade de cafés, bares ou restaurantes (CBR) na cidade de Oliveira: 45.

45 CBR!!! Não será este número um exagero?

A nível concelhio, estimo que cada freguesia deve ter uma média de 6 CBR. Contas feitas, estimo que devem existir cerca 170 CBR no concelho de Oliveira do Hospital. Um CBR por 130 habitantes. Uma estimativa que não é exagerada, o próprio leitor pode o constatar. Mas este número é um exagero, porque são CBR demais para um concelho tão pequeno.

As autoridades não podem fazer nada contra esta tendência, porque qualquer pessoa pode abrir um CBR, desde que cumpra as exigências estipuladas pela lei. A única autoridade que pode impedir esta tendência é o bom senso que as pessoas deveriam de ter antes de abrirem um negócio.

Não percebo como é que não fecham CBR em OH. Existirá mercado para tantos? Concerteza que não, mas mesmo assim, eles teimam em abrir.

Tuesday, August 10, 2004

Caracterização socio-económica do concelho de Oliveira do Hospital - I: Cabeleireiros

Segundo as estimativas feitas por fontes idoneamente credíveis (isto é: eu) existem só na cidade de Oliveira do Hospital 14 cabelereiros. Só na cidade, porque estimo que haja pelo menos um cabeleireiro por freguesia. Portanto, se somarmos as 21 freguesias do concelho, mais os 14 que existem em Oliveira, somam-se 35 cabeleireiros no concelho. Mas este número é exagerado, porque a freguesia de São Sebastião da Feira não tem cabeleireiro. Acho eu.

Mas vamos mesmo assim considerar os tais 35 cabeleireiros. A população do concelho de OH cifra-se nos 22 000 habitantes. Portanto, o número de cabeleireiros per capita em OH é de 628,6. Existe um (ou uma) cabeleireiro(a) por cada 628.6 habitantes do concelho de OH.

Mas o leitor perspicaz diz: "eu não vou ao cabeleireiro!", e com razão. Porque normalmente quem vai ao cabeleireiro ou é mulher ou gay. Teoricamente, metade da população é do sexo feminino, o que reduz drasticamente a incidência: um cabeleireiro por 314,3 habitantes.

Neste caso, o das pilosidades, os homens ficam claramente a perder, porque na cidade de OH, existem 5 barbeiros. Cada freguesia tem, e tenho quase a certeza, um barbeiro por freguesia, o que dá 26 técnicos capilares no concelho, que depois de divididos, 423 habitantes por cada barbeiro. O que é muito mau.

O que é que Oliveira tem?

Oliveira do Hospital é uma cidade. Com interesses e desinteresses próprios de uma cidade do Pinhal Interior Norte (pergunto-me quem em OH conhecerá esta denominação). Mesmo no sopé da Serra da Estrela, o concelho não usufrui das benesses turísticas da dita, como o concelho vizinho de Seia, ou de Gouveia.

Para se aceder à serra através da estrada da beira tudo o que o se pode conhecer da cidade de Oliveira do Hospital são as placas indicativas. Nada mais.

Mas se Oliveira não vive do turismo (mas felizmente já começa a existir uma maior preocupação nesse sentido por parte da edilidade), de que é que vive? Vive da indústria têxtil, que emprega boa parte da mão de obra disponível, principalmente a mão-de-obra feminina do concelho. Já não é mau.
O que se pretende com este blogue é falar de OH, dos seus problemas, das suas virtudes. Ser um espaço aberto a todos que desejarem intervir.
Quem assim desejar, pode fazer através do e-mail: oliveirahospital@yahoo.com

Powered by Blogger